sexta-feira, 25 de julho de 2008

Banco na praça


Banco na praça e você La sentada
Não tão pequena como dizia
Distante te vejo e meu olhar corre ao seu encontro
Tão bela e calma me convida a sentar
A praça que se rodeia de arvores verdes de esperança
Sol que surgi nas nuvens que o cobrem
E você sentada ao meu lado em um banco tão simples
Crianças que pulam e dançam a ciranda da infância
Sem medo de no chão cair, pois a terra é nosso chão
Calmamente tarde cinza que se passa com o anuncio de chuva
Seus olhos ali denunciando nosso beijo
A chuva que se esconde, mais chega sem pressa vem
Eis que levantamos em direção de um abrigo
Abrigos para o coração, com carinho real
A chuva cai sobre a terra molhando meus óculos após sua ida
O tempo ira dizer ate aonde ir
A chuva será testemunha ocular de um monte na praça central
Arvore, grama,banco, parque, sonhos,eu e você
E assim se marca nosso beijo
A praça ali esta espero voltar com você ao banco sentar.



Rodrigo szymanski

3 comentários:

caroline disse...

Oi Lindinhoooo...
Adorei mais essa poesia
Ficou linda perfect...

Bom final de semana...Bjussss

Meu mundo e nada mais: um infinito particular disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mari Malheiros disse...

Oi qrido

Linda poesia, pra variar...

=D

Bjs