terça-feira, 3 de março de 2009

Sentado em um simples banco

Sentado em um simples banco lembrei de você
De seu abraça aconchegante
Senti a brisa que vem tão calada anunciando
Ao fechar meus olhos um beijo imaginário em meus lábios
Memória de noites inesquecíveis ao seu lado
De sua mãos simples e pequenas em sintonia com as minhas
Ao olhar as estrelas sinto você ao deitar sua cabeça sobre meu peito
Sua mãos em minhas mãos
Levarão nossos lábios intocáveis ao toque
A sensação de uma vida que se passa em historias de amor
Ao banco olhei
Estava vazio sem você, próximo a mim a memória de dias passados
Ainda em meus lábios o gosto de seu beijo
Gosto insaciável de desejo
Meus olhos tão distastes já daquele bando me levam a andar
Em direção a você
Olhos meus que não te enxerga
Ao passar dos dias
Sentei
Olhei o nada em meus redor
Na espera de sinal
Sinto você distante
Tão próxima de mim
Em mim você já habita como a alma de corpos ao sol
Espero no banco você, feliz na certeza de te encontrar


Rodrigo szymanski

Um comentário:

Susi disse...

Oi, sou de novo.
Linda essa poesia. Parabéns!