terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Solidão

Solidão dois corpos soltos ao vento sem o amor
Solidão em alma junta como a noite e o dia que cantão
É você tão distante de mim como a chuva no horizonte claro do deserto
Solidão quando sinto você distante como o mar e a lua que se encontrão
Eu quero minha solidão tão só como a noite
Solidão como você que canta ao distante de meus ouvidos
Palavras que ficam paradas no tempo lunar de uma noite inteira
Solidão sou eu ao mar em busca de você
Sem musica de fundo na sua espera
Solidão é eu sem você em meus sonho de amor perfeitos

Rodrigo Szymanski

Um comentário:

Mari disse...

Saudads desse blog... mas o poeta continua lindo como sempre... Szymanski, vc e seus poemas maravilhosos;-D... Lindo... amei este... simples e verdadeiro... Bjs lindo...