domingo, 23 de março de 2008

AMOR


O que é o amor?
Quem inventou o amor?
Surge-me esta pergunta
E não tenho respostas
Quem sabe você me Dara?
Muito se fala no amor
Não consigo ainda compreender este amor
Amor que não se ama?
Será que realmente o “nosso amor a gente inventa”
E se for assim
E eu inventar meu amor por você
E você inventar um amor por outro alguém
Ficaria estranho, cada um cria seu amor
Mais será que o amor não é inventado?
Tanto amor por interesse
Mais se for assim não é amor
E se fosse?
Estaria amando inutilmente você
Ou será que seu amor por mim só eu quem não entendo
Quem sabe um amor estranho é nosso amor
Como vou saber que eu amo e sou amado?
O amor e parceiro da loucura já me disseram isso
Mais e se meu amor foi diferente
Amar intensamente, sufocar quem se ama
Será que é amor?
Ou uma insanidade amorosa?
Amor prende?
Será que o amor não tem liberdade?
A liberdade não é amor?
E a confiança?
Quem desconfia ama?
Mais quando se ama não se acredita?
O amor é a verdade ou uma doce mentira?
Amor, amar, ser amado...
E agora como saberei
Tudo é estranho, o amor é insano
Ninguém nunca respondeu o que é isso
Não quero responder
Não sei ainda
Sei o que eu acho que seja amor?
Mais persiste a certeza de que cada um ira descobrir e se confundir com o amor
E viver um amor...
Todo mundo será?


Rodrigo Szymanski

2 comentários:

marcos disse...

eee aee rodrigo!!
bonitas palavras!!
abraçosss!!

Uilian disse...

Grande Rodrigo!
outrora, proferiria que falar de amor, não é amar...grandes indagações de um grande coração...
concordo com você, independente do amor, ele ultrapassa as barreiras da realidade, da consciência, está realmente acima do certo e do errado, do finito e do infinito, do ontem e da eternidade...
Abração e parabéns!