quinta-feira, 5 de junho de 2008

Estão roubando meus sonhos!

Socorroooooooo
Estão roubando meus sonhos!
Eles vão matar a utopia
Corra louco
O sonho não pode ser vencido
Socorrooooooooooooooo
Estão tirando minha esperança
Vamos, vamos se esconder
O sonho não acabou
A tortura não parou
Socorroooooooooooooo
Somos órfão da revolução
Mataram nosso pais
Socorroooooooooooooooo
Querem matar meus sonhos
Vamos dançar e esquecer
Socorroooooooooooooooo
O silencio esta matando meu gritooooooooooooo
Ainda vou gritar a morrer

Rodrigo Szymanski

2 comentários:

Sidney Azevedo disse...

Saudações, Rodrigo!

Lembro-me de ti sim, e não é a primeira vez que entro em teu blogue. Gosto muito do carácter sempre esperançoso da PJ que está vivíssimo nos textos que tens. Espero que estabeleçamos contacto por este meio. (Não ligue a grafia portuguesa, quero aproveitá-la bem antes de mudanças definitivas)

Sobre o poema:
Não nego. A utopia é-nos tirada a cada dia (um pouco que é muito por meus eventuais colegas de profissão...) Pergunto-me qual é o modo de se fazer voltar a utopia. Há uma música do Sílvio Brito sobre a utopia da paz nos lares, mas para quem lê Marx isso parece pouco e fato de ideologia. Ora, leituras são o caminho? Acho que temos de ter um pensamento mais..., mais, não sei. Ainda não me sai da cabeça o que ouvi em um debate sobre destruição da política...

Bem, vai aí.

Abraços, Rodrigo.
Até algum dia.

E visite o Antítudo.

ELLEN CAROLINE... PJ disse...

... acredito que jamais vamos deixar arrancarem de nós essa utopia que tanto necessitamos!!!
ficou ótimo seu texto, esse eh o nosso grito!!!!
... juventude- em missão..
em missão- juventude

é isso aí parceiro, a causa é nossa!!!!!!

bjuxx
e te adoro