domingo, 29 de junho de 2008

Olho alucinado para o relógio


Ontem o dia passou mais rápido
Fiquei contando minutos na espera de seu olhar
Escutei cada segundo passar com sua lentidão
Sentindo o pulsar do momento em te encontrar
O relógio virou meu inimigo
Esperei sentado o tempo passar
Sobre poemas de amor escondi minha ansiedade
Via o dia indo na lentidão de uma vida
O sol deixa seu lugar natural dando espaço a escuridão
No frio que chega com a noite duvidosa
Espero teu olhar, distante se aproximar
Escuto a noite cantar girando o ponteiro ao tempo passar
Aguardo sobre a pressão insatisfeita de um tempo estranho
Escuto calado meu pulsar se misturando com o breu da noite
Olho alucinado para o relógio
Meu desespero aparece visivelmente
Quando do nada escuro da noite
Vejo você vindo em minha direção
Ao meu encontro acalmando meu ser
Sinto o tempo confuso se perder em sonhos
Escuto a noite avisar que aquela noite o tempo não haverá
Não olho mais para o relógio que controla nosso tempo
Somente me entrego aquilo que deveria a tempo não ter deixado

Rodrigo szymanski

2 comentários:

Nandha disse...

Oiii szy..
adorei o post.Realmente o tempo nos controla, e só nos damos conta das coisas que perdemos quando não podemos mais recuperar.

:** querido
saudades de vc

ta adicionado.

Mari Malheiros disse...

Soh o temp... vai entender o temp... ele adora rir da gent... mas eh lind seu poema, o jog fantastico d palavras...

=D

Bjs qrido